Há mais de 10 anos ajudamos empresas a atingirem seus objetivos financeiros e de branding. A Maxbizz é uma agência de consultoria orientada por valores dedicada.

Galeria

Contato

+1-800-456-478-23

411 University St, Seattle

maxbizz@mail.com

O ESTADO DE SAÚDE MENTAL DOS ACADÊMICOS DE MÍDIA E COMUNICAÇÃO

Evidências recentes sobre o estado de saúde mental de acadêmicos/estudantes universitários indicam que há sérios indícios para nos preocupar. Professores e alunos de pós-graduação em todo o mundo correm alto risco de desenvolver problemas de saúde mental, como ansiedade, depressão e esgotamento em algum momento de sua carreira. Muitos deles buscam ajuda profissional por meio de sua instituição ou por conta própria, pois a disponibilidade de estruturas de apoio institucional varia muito entre as diferentes universidades.

Em geral, os estudos apontam consistentemente para uma prevalência muito maior de problemas de saúde mental entre os acadêmicos em comparação com a maioria das outras profissões. O COVID-19 intensificou o estresse no trabalho para muitos acadêmicos, mas o problema claramente é anterior à pandemia. Sabe-se que as condições estruturais do trabalho acadêmico, como alta pressão editorial, competição acirrada e uma cultura de avaliação constante, contribuem para níveis insalubres de estresse no trabalho.

Apesar dessa crescente conscientização sobre questões de saúde mental na academia em geral, sabemos relativamente pouco sobre a situação no campo dos estudos de mídia e comunicação mais especificamente. Para preencher esta lacuna, a ALAIC, juntamente com outras associações internacionais de estudiosos, está participando de um esforço conjunto para mapear o estado de saúde mental dos estudiosos dos estudos de mídia e comunicação.

 O primeiro passo nesse esforço é uma pesquisa online dirigida a estudiosos de mídia e comunicação de 25 de setembro a 18 de outubro de 2022. O objetivo da pesquisa é medir a magnitude dos problemas de saúde mental em nosso campo, identificar as condições estruturais que produzem maior vulnerabilidade e apontar possíveis maneiras de melhorar a situação. O estudo é coordenado por Thomas Hanitzsch e Antonia Markiewitz (ambos da LMU Munich) e Henrik Bødker (Aarhus University).

Iniciar a pesquisa (ativa até 18 de outubro de 2022)

Autor

Maria Camila Sánchez Delgado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BR
Alaic